Conversa

Regras da comida de Michael Pollan – as que eu mais gostei!

Pensa num livro que eu devorei num segundo! Não foi difícil. Além de ser super curtinho, o conteúdo dele é do tipo que eu me identifico. Deu até um vontadinha de ler ele de novo só de lembrar. Peraí que eu já volto…rs

Esse livro é um pouquinho antigo e quando fui comprar nem achei mais ele “físico” só o virtual e foi ele mesmo que eu comprei.

São 64 regras, e separei as que mais gostei aqui:

Regra 1 –  Coma comida

Essa me lembrou muito a Rita Lobo (Ritinha para os íntimos ♥). Já faz um tempo ela fala sobre comer comida de verdade e não imitação de comida.

“Nos dias de hoje, isso é mais fácil de falar que de fazer, especialmente quando 17 mil novos produtos surgem a cada ano no supermercado (…) Mas a maioria desses artigos não merece ser chamada de comida (…) São invenções altamente processadas concebidas por cientistas (…) que nenhuma pessoa normal guarda na dispensa.”

Regra 5 – Evite alimentos que contenham alguma forma de açúcar (ou adoçante) listada entre os três primeiros ingredientes.

“Açúcar é açúcar” – não importa o nome que dão. Incluse açúcar orgânico, mascavo e de coco continuam sendo açúcar.

Regra 7 – Evite produtos alimentícios que contenham ingredientes que um aluno do terceiro ano não consiga pronunciar.

Simples de entender, não? Fala sério, tem aditivos com nomes que nem você sabe pronunciar!

Regra 12 – Compre nos corredores ao longo das paredes do supermercado e fique longe do centro.

Os alimentos mais industrializados ficam no centro do mercado e muito provalvemente a seção de horti fruti do mercado que você frequenta fica num canto na parede, acertei?

Regra 17 – Só como alimentos preparados por humanos.

Simples assim.

Regra 39 – Coma todas as besteiras que quiser, desde que você mesmo cozinhe.

Sempre lembro dessa regra quando estou com vontade de comer algum doce. É bom pensar assim por pelo menos 3 benefícios: se escolher fazer alguma coisa que não sabe, então aprenderá a fazer algo diferente; se fizer em casa você saberá a qualidade dos ingrientes e o modo como são feitos; você economizará e para não enfiar o pé na jaca por comer uma porção grande, você pode dividir seu quituti com amigos e família (e então todos saem ganhando) ou você acaba desistindo de fazer pelo trabalho e tempo que não tem disponível naquele momento e então não come a besterinha.

Regra 46 – Pare de comer antes de se sentir satisfeito.

Difícil é conseguir fazer com um forma de lasanha na minha frente. Tenho me esforçado nessa regra ultimamente.

Regra 49 – Como devagar.

Parece simples, não é? Não é! Comer saboreando a comida tá cada vez mais difícil. Dentre outras explanações sobre isso Pollan citou uma velha regra de etiqueta: ” Pouse o garfo entre uma garfada e outra”

Regra 63 – Cozinhe.

“a menos que você tenha dinheiro para contratar um chef particular que prepare as refeições exatamente de acordo com suas especificações, deixar que outros cozinhem para você significa perder o controle sobre o que você come”. “Não é de surpreender que a obesidade tenha aumentado quandoa as pessoas passaram a cozinhar menos em casa, e as pesquisas sugerem que quem cozinha provavelmente tem uma alimentação mais saudável”.

Vale super a pena comprar o livro e ler o restante do conteúdo dele!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *